O Quadro na decoração

Os quadros são o acessório mais importante e comum num interior. A escolha e colocação de quadros é bastante difícil, devendo-se por isso dar a máxima atenção a esse problema.
É muita conhecida a frase "Diga-me o que o homem lê e eu lhe direi que homem ele é"; assim também, pelos quadros usados em uma casa, pode-se julgar os habitantes, pois refletem seu gosto, cultura e educação.
Os quadros são algumas vezes escolhidos somente por agradar de relance ao comprador, que rapidamente os adquire, sem ponderar que um objeto que às vezes agrada à primeira vista, quando contemplado mais demoradamente mostra defeito de desenho, colorido, anatomia, ou perspectiva. Um quadro é comprado para muito tempo, para toda a vida mesmo, não se devendo, portanto, ser obrigado a contemplar sempre aquilo que realmente não agrada. Ao contrário, um bom quadro, que como uma boa música, quanto mais se ouve, mais se aprecia, é fonte de prazer espiritual.
Isto não quer dizer que só os quadros caros sejam usáveis, mas é preciso que uma pintura qualquer tenha certo valor decorativo. Assim, aquarelas, guaches e bicos de pena de flores, pássaros etc., feitas por artistas desconhecidos, alguns quadros decorativos modernos, e boas reproduções, são ótimas, desde que bem feitas e agradáveis ao comprador, pelo motivo e colorido.
Outro fator importante é a adaptabilidade do quadro à sala em que será colocado. Esta adaptabilidade compreende não somente o assunto, mas é preciso também que suas dimensões estejam em proporção com as paredes, mobiliário e tamanho da sala. Um bom quadro é desperdiçado quando colocado em sala errada ou lugar mau. É melhor não ter quadros a tê-los mal colocados, apertados entre portas ou entre outros quadros de menor importância.
Por isto, deve-se colocar e mesmo comprar os quadros, somente depois que a sala está pronta e mobiliada, pois o instinto sugerirá quais paredes necessitam decoração. Naturalmente, quando as cores do quadro e suas dimensões fornecem a combinação das cores da sala, este tem que ser comprado antes. Os quadros nunca devem ser comprados somente para encher uma parede vazia, mas deve haver da parte do ocupante habitual da sala, satisfação pessoal na contemplação de cada quadro.
É difícil fixar regras quanto aos motivos próprios para cada sala, mas não há dúvidas de que o motivo deve estar em acordo com o caráter geral da sala. Por exemplo, quadros em carvão, bico de pena, e gravuras em preto e branco são ótimos para quarto de homem, hall, ou qualquer outro lugar onde se necessita uma marca e contraste forte. Devem, no entanto, ser usadas sem outra espécie de pintura do lado. Óleos ou aquarelas desmerecem ser colocadas ao lado de pinturas em preto e branco. Flores decorativas e outros motivos de vistas, tanto podem ser usados em hall, sala de jantar, como living. Aquarela de flores, pássaros, e reproduções de damas antigas são para quartos femininos e "boudoirs". Retratos de família, pinturas, são valiosos e muito decorativo em hall, sala de jantar ou living. Já fotografias de família nunca devem ser dependuradas na parede, mas usadas em cima de mesas, em porta-retratos.
Em salas de estilo, naturalmente, para bem conseguir a atmosfera, é necessário usar originais ou reproduções semelhantes às usadas na época.
Outro ponto importantíssimo em quadros é a escolha da moldura, que deve estar perfeitamente de acordo com o quadro em proporção e ornamento. Vários artistas, acertadamente, desenham molduras para cada um de seus quadros, de modo a obter o acordo absoluto.
As molduras mais belas foram feitas durante a Renascença, reinado de Luís XIV e princípios do século XVIII. Em meados do século XVIII começou-se a fabricar molduras de massa em vez de madeira entalhada. Essas molduras, muitas pesadas e enfeitadas, obscureciam e depreciavam os quadros nelas colocados. Hoje molduras antigas são muito procuradas, para pinturas e reproduções de quadros antigos. Procura-se novamente atingir a beleza das molduras do século XVIII, baseando-se na adaptabilidade ao quadro e harmonia com todo o ambiente.
Pinturas a óleo devem ser emolduradas em "passe-partout" ou vidro. Pinturas antigas pedem moldura rica, sendo a moldura dourada a mais usada, pois o dourado ajuda a harmonizar as cores sem com elas competir.
Deve haver muito cuidado com a moldura, pois nada mais feio, por exemplo, do que um dourado brilhante que em vez de realçar, ofusca o quadro. Também, o motivo da pintura a óleo, sendo pesado e rico em contrastes, pede uma moldura mais pesada e rica, enquanto que uma pintura mais leve pode ter moldura mais delicada.
Desenhos em bico de pena e aquarelas devem ter "passe-partout" e vidro; usando-se em geral moldura preta lisa ou com pequeno risco dourado, para os bicos de pena. Pinturas feitas em papel necessitam vidro para proteção, e a não ser que tenham grande espaço em torno do desenho, levam sempre "passe-partout". É comum as aquarelas levarem moldura branca, prateada ou de madeira natural, mais do que as molduras para quadro a óleo.
Reproduções são raramente usadas hoje em dia, em interiores bem decorados. Em todo caso, se alguém tem uma predileção toda especial por um quadro de um dos mestres, não há razão para que não possa usá-lo e deve ser emoldurado como se emolduraria o original, somente devem ser evitados quadros conhecidos demais e reproduzidos até em folhinha como a Mona Lisa, de Da Vinci, o Angelus, de Millet, etc.
Quadros em pastel, seguindo o gosto francês, são em geral emoldurados com moldura dourada.
As molduras modernas são feitas em enorme variedade de materiais: vidro, espelho, cromo, madeira, cortiça e até fazenda, vendo-se no desenho das molduras inovações audaciosas.
Salas com papel de parede ou pinturas murais, não necessitam quadros, pois as paredes já estão decoradas. Os quadros devem ser dependurados à altura da vista. Quando o quadro é muito grande, deve ser dependurado mais alto para maior horizonte visual. Quadros importantes devem ser colocados na parede principal e necessitam uma área em torno livre, de modo a poderem ser apreciados. Um quadro deve ser dependurado absolutamente encostado à parede, sendo para isso necessário pendurá-lo bem em cima, ou ficará inclinado prejudicando a beleza da pintura. Quando vários quadros são dependurados numa parede, eles não devem ser arranjados indiscriminadamente, mas formando um grupo geométrico como um retângulo, linha reta ou triângulo. Se os quadros são de diferentes tamanhos e feitios, deve-se agrupa-los de modo a contarem como uma composição só. Quadros a óleo não devem ser usados ao lado de aquarelas, a não ser que a técnica do óleo seja muito semelhante à da aquarela.
Deve haver relação de proporção entre o quadro, parede e móveis colocados diretamente sob o quadro.
Os armes ou argolas por onde os quadros são dependurados não devem aparecer.
Também a iluminação para quadros é muito importante. Os quadros a óleo exigem a iluminação natural, ou a artificial com técnica irrepreensível, por isso, é preciso estudar de onde vem a luz e como incide no quadro. Pinturas grandes e importantes pedem uma iluminação com lâmpada colocada por cima do quadro, como se vê em exposições.
Por Alayde Pariso

Volta para o início
Voltar à Página Principal